Archive for Outubro, 2008

Os Triunviratos e o início do Império Romano

Primeiro Triunvirato

– Como o Senado não conseguia impor sua autoridade, três líderes militares populares, Pompeu, Crasso e Júlio César, em 60 a.C., impuseram-se ao Senado e formaram o Primeiro Triunvirato.

– Crasso morreu em 53 a.C., e Júlio César, que tinha muito prestígio, vence Pompeu e torna-se ditador de Roma. Fez várias reformas: dividiu terras entre plebeus, transformou o Senado apenas em conselho consultivo, construiu grandes obras e ofereceu trabalho aos desempregados.

– Senadores, descontente com César, o assassinaram.

 

Segundo Triunvirato

 

 

– Com a morte de Julio César, o Senado tentou tomar o poder.

– Para impedir isso, o cônsul Marco Antônio, o chefe da cavalaria Lépido e Otávio (sobrinho e herdeiro de César) se uniram e formaram o Segundo Triunvirato.

– Rapidamente, os três começaram a disputar o poder. Por pressão de Otávio, Lépido foi destituído do poder. Marco Antônio rompeu sua parceria com Otávio e se aliou a Cleópatra, rainha do Egito.

– Otávio, apoiado pelo Senado, acusou Marco Antônio de querer se tornar rei do Egito e começou um sério conflito. Marco Antônio foi derrotado e suicidou-se. O Egito foi transformado em colônia romana.

– Otávio se tornou o chefe supremo de Roma, e recebeu o título de Augusto (divino, consagrado). Em 27 a.C., tornou-se o primeiro imperador romano, acabando, assim, o período republicano e começando o Império.

Deixe um Comentário

Crise na República Romana

Crise na República Romana

 

– República romana entre em crise nos séculos II e I a.C.

– Muitos soldados camponeses ingressavam no Exército para ter direito a terras quando saíssem das legiões. Ao retornar das guerras, não tinham como manter suas propriedades, e acabam vendendo-as por preços baixos. Plebeus, devido a utilização de mão-de-obra escrava nas fazendas, ficavam desempregados. Os ex-proprietários e os ex-trabalhadores das fazendas acabavam saindo das áreas rurais e migravam para os centros urbanos: êxodo rural. Nas cidades, especialmente em Roma, eles passaram a competir com os escravos por trabalho.

– Plebeus que participaram de guerras e conseguiram enriquecer, conseguindo recursos para manter suas terras surgiam como uma nova classe social: os cavaleiros. Apesar da riqueza, não tinham, participação política.

 

Irmãos Graco

– Irmãos Tibério e Caio Graco, eleitos Tribunos da Plebe, defendiam reformas para atender aos desempregados e diminuir problemas sociais causados pelo expansionismo romano.

– 133 a.C.: Tibério criou projeto de reforma agrária, para distribuir parte das terras para os necessitados. Tibério e 500 de seus partidários foram assassinados pela nobreza.

– Dez anos mais tarde, Caio Graco, perseguido pela nobreza, foi assassinado por seu escravo.

Mario e Sila

– Militares, com popularidade alta devido às conquistas territoriais, ocuparam cargos políticos no Senado.

– Mario: apoiado pelas camadas populares, profissionalizou o exército e tornou suas legiões fiéis ao seu comando e não a Roma.

– Sila: representante dos patrícios, defendia os interesses dessa classe social. Venceu Mario e submeteu o Senado a seu controle, se tornando ditador até 79 a.C.

– Todos esses problemas geraram um clima de insatisfação geral e conflitos.

Comments (2)

Escravidão em Roma

Escravidão

 

– Número de escravos aumentou muito com as conquistas territoriais.

– Com o passar do tempo, o trabalho familiar foi gradativamente substituído e a sociedade tornou-se dependente da mão-de-obra escrava.  Roma se tornou uma sociedade escravista.

– Pessoas endividadas (até a publicação da Lei Poetelia) e prisioneiros de guerra exerciam funções variadas: administração pública, mineração, agricultura, construção, artesanato e ocupações domésticas.

– Pessoas ricas tinham milhares de escravos. Só as mais miseráveis não tinham pelo menos um escravo.

– Para manter a oferta de mão-de-obra escrava, o exército estava empenhado na conquista de mais e mais territórios, fazendo mais e mais guerras, e conseguindo mais e mais prisioneiros de guerra.

Revoltas de Escravos: entre os séculos II e I a.C. surgiram as primeiras revoltas de escravos, em Roma, províncias da Ásia Menor e Sicília. Em 73 a.C., Espártaco liderou uma das maiores rebeliões de escravos, contando com mais de 100 mil rebeldes. Espártaco e seus homens lutaram contra o exército romano, só sendo derrotado dois anos mais tarde. Seis mil escravos foram crucificados. Espártaco tornou-se símbolo dos escravos na luta pela liberdade.

Comments (4)

Exército romano

Exército romano

         ● Servia para proteger as fronteiras e proteger as terras conquistas. Para melhor se locomover, foram construídos 85 mil quilômetros de estradas.

         ● Soldado romano era chamado de Legionário. Para se tornar legionário romano, era necessário ser cidadão romano e ter, no mínimo, 1,74 m de altura. O legionário recebia treinamento em marchar, cavalgar, nadar e táticas de guerra. A disciplina do exército romano era extremamente rígida. Muitos generais dividiam o butim com seus soldados, e estes, em troca, lhe eram fiéis.

Deixe um Comentário

Expansionismo Romano

Expansionismo romano

         ● Entre os séculos V e III a.C., os romanos conquistaram a Itália.

         ● A partir daí, partiram para a conquista do mar Mediterrâneo, que era controlado por Cartago. Essa disputa pelo controle do comércio e de regiões no Mediterrâneo envolveu Roma e Cartago em três Guerras Púnicas. (264 – 146 a.C.). Roma saiu vitoriosa, dominou Sicília, Córsega, Sardenha, Península Ibérica, Grécia e a Macedônia. Mias tarde dominou o norte da África e a Ásia Menor. Cartago se tornou província romana no norte da África.

         ● Roma transformou-se na maior potência marítima do mundo antigo.

         ● As regiões conquistadas transformavam-se em províncias e recebiam governadores romanos. Os impostos nessas regiões eram cobrados pelos publicanos, que depois enviavam todo o dinheiro para Roma. Governadores e publicanos eram cargos muito cobiçados, já que possibilitavam o enriquecimento por meio da corrupção.

Conseqüências do expansionismo

         ● Aumento da escravidão: povos conquistados viravam escravos.

         ● Aumento do número de latifúndios: os grandes proprietários aumentavam suas posses, apropriando-se das terras conquistadas.

         ● Ruínas dos plebeus: substituídos pelos escravos, ficavam sem trabalho e alguns perderam as terras para os latifundiários.

         ● Ascensão de uma nova classe social: os Cavaleiros, plebeus enriquecidos pelo comércio e artesanato.

         ● Conquista de territórios

         ● Controle do Mar Mediterrâneo: Mare Nostrum.

Comments (3)

República Romana

República

– República: “coisa do povo”.

– Patrícios controlavam a política, religião e a justiça.

– Plebeus pagavam impostos, serviam ao exército e não possuíam direitos políticos.

Assembléia Centuriata: composta por magistrados eleitos entre patrícios. Elegia anualmente os dois cônsules (que substituíam os reis), votava leis e as decisões de declarar guerra ou paz. Principais cargos votados pela Assembléia eram:

         ● Pretor: responsável pela justiça

         ● Pontífice: responsável pela religião

         ● Edil: encarregado da conservação da cidade.

         ● Censor: censo da população e cuidando da arrecadação dos impostos.

         ● Questor: funções financeiras.

Senado: supervisionava os cônsules no governo, além de ser responsável por finanças e assuntos externos, além de promulgar leis. Era um cargo vitalício.

Comícios ou Assembléia do povo: elegiam a cada ano os magistrados, que formavam a Assembléia Centuriata.

Revolta dos Plebeus: desigualdade entre plebeus e patrícios aumentava cada vez mais.

         ● 494 a.C.: sem direitos políticos e explorados, os plebeus acabaram se rebelando, em 494 a.C., quando ameaçaram fugir de Roma e fundar uma nova cidade.

         ● 471 a.C.: os patrícios, percebendo que Roma ficaria sem trabalhadores e sem defesa, aceitou que os plebeus fossem representados pelos Tribunos da Plebe, com direito de veto sobre as decisões do Senado que afetassem a plebe.

         ● 450 a.C.: Leis das Doze Tábuas. Primeiras leis escritas, registradas em 12 tábuas, expostas no Fórum para que todos pudessem ver.

         ● 445 a.C.: Lei Canuléia: estabeleceu a igualdade civil, que permitiu o casamento entre patrícios e plebeus.

         ● 367 a.C.: Lei Licínia-Sêxtia: determinava que, a partir de então, deveria ser eleito um cônsul plebeu e um cônsul patrício.

         ● 326 a.C.: Lei Poetelia: abolição da escravidão por dívida.

         ● 300 a.C.: Lei Ogúlnia: autoriza que plebeus possam ocupar cargos religiosos.

Deixe um Comentário

Monarquia Romana

Monarquia

– Roma teve 7 reis. Todos foram escolhidos pela Assembléia Curiata, a partir de uma lista feita pelo Senado.

– Os reis etruscos queriam limitar o poder do Senado, e centralizar o poder em suas mãos. O Senado, que representava a elite romana, se rebelou e em 509 a.C. derrubou o rei e pôs fim a Monarquia. Expulsaram então os etruscos de Roma e fundaram a República.

– Organização social:

         ● Patrícios: aristocracia romana. Possuíam direitos políticos e as melhores terras.

         ● Clientes: buscavam proteção dos patrícios. Em troca, prestava todo tipo de serviço. Tinham direitos políticos e eram mais pobres que os patrícios.

         ● Plebeus: Maioria da população. Eram donos de pouca ou nenhuma terra. Eram livres, porém sem direitos políticos. Não participavam dos cultos religiosos e viviam ameaçados pela escravidão por dívida.

         ● Escravos: eram poucos nesse período. Não eram considerados cidadãos e não possuíam direitos. Eram escravos os prisioneiros de guerra e os devedores.

Comments (3)

Older Posts »